Wednesday, December 28, 2011

Nº 43 Hanimex 110 FL Tele



Esta câmara foi fabricada no início dos anos oitenta encomendada pela Hanimex, provavelmente à Haking de Hong-Kong.

Hanimex 110 FL Tele

É uma câmara como muitas da sua época.
Tem uma lente, que quando deslocada para a posição de tele, transforma a distância focal normal numa pequena tele-objectiva, deriva daí o seu nome.
O avanço do filme/armamento do obturador é feito "a la" Kodak, por meio de uma peça deslizante colocada na parte de baixo da câmara.
O flash electrónico é ligado/desligado pelo alterar da posição do botão previsto para o efeito e é alimentado por duas pilhas AA.
Usa filme 110, permitindo o máximo de vinte exposições no formato 13 x 17 mm.

Votem sempre (o;

Wednesday, December 21, 2011

Nº 42 Fujica Pocket 300


Fujica Pocket 300 (3)
A Fujica Pocket 300 foi um dos primeiros modelos subminiatura apresentados pela Fuji. 

A Fuji chegou a este mercado apenas em 1976, quando a Kodak e Agfa já se encontravam bem estabelecidas, no entanto a Fuji apresentou soluções inovadoras e câmaras de muito boa construção.
Foi a primeira marca a apresentar uma câmara com lente zoom neste formato, a Fujica Pocket 330.

Fujica Pocket 300 (4)

Especificações da Fujica Pocket 300:
  • Corpo em alumínio
  • Objectiva 26.5mm f5.6-11 
  • Foco fixo
  • Controlo de exposição por símbolos meteorológicos  
  • Filtro UV embutido
  • Velocidade de obturação fixa: 1/125 
  • Hot shoe para flash electrónico
  • Disparador suave e encaixe para disparador remoto 
  • Filme em cassete 110  

Fujica Pocket 300 (2)

Esta câmara não usa as perfurações do filme para armar o disparador, pelo que as cassetes podem ser recarregadas com filme de 16 mm. Como estou com um pressentimento que o Pai Natal me vai trazer um conjunto de film slitters poderei pô-la a uso.

Fujica Pocket 300


FELIZ NATAL




Voltem sempre (o;




Friday, December 16, 2011

Nº 41 Agfa Optima 500 Sensor


Esta é uma Agfa Optima 500 Sensor, feita na Alemanha, pela Agfa-Gevaert, em 1969

Foi o primeiro modelo a apresentar o disparador cor-de-laranja Sensor, que se tornou uma imagem de marca das futuras câmaras Agfa. É feito de uma fina membrana metálica com um curso inferior a 0,5 mm, o que torna o disparo super suave, evitando imagens tremidas.

Agfa Optima 500 Sensor (2)

O disparador, do tipo central de laminas, é um Paratic. A gama de velocidades vai de 1/30 a 1/500, daí o nome do modelo.
A lente é uma Color-Apotar, 1:2.8/42 mm, focagem por escala, com três pictogramas na parte de cima do barril da lente e uma escala em metros e pés, na parte de baixo.

Agfa Optima 500 Sensor (3)

Acima podemos ainda ver, no anel de abertura, os valores de abertura, usados apenas quando B for seleccionado.
Os valores de abertura e velocidade de obturador, em operação normal, são seleccionados automaticamente e controlados por uma célula CdS, alimentada por uma bateria BMR 9, usando a informação ISO, que varia de 25 a 400.

Localizadas na parte de baixo câmara estão a alavanca de avanço/rebobinagem do filme, contador de exposições, encaixe do tripé e encaixe de mola do invólucro do filme. 

Agfa Optima 500 Sensor (4)

Poderão achar estranho uma alavanca de avanço/rebobinagem do filme mas, de facto trata-se de uma característica bem interessante.
Atingida a última exposição carrega-se e levanta-se a alavanca, marcada com um R, ao lado da lente, e acciona-se a alavanca diversas vezes, rebobinando o filme, simultaneamente o contador de exposições regride, informando-nos do progresso da operação.

Podem ver, na imagem acima, uma pequena janela no topo do lado direito da câmara. Está marcada LZ/GN e apresenta uns números na janela, seleccionáveis com a pequena roda situada por baixo.
A função é dar a informação do número guia do flash ao sistema de exposição automática (LZ - metros, GN - pés).
Quando um flash é acoplado ao porta acessórios a câmara entra automaticamente no modo de flash:
A velocidade de obturação bloqueia em 1/30 e a abertura é calculada em função da distância e do número guia do flash.

Agfa Optima 500 Sensor (5)

A impressão serigráfica do modelo da câmara já desapareceu há muito, apenas o pequeno ponto cor-de-laranja resistiu à passagem do tempo.
O visor é colimado e a pequena janela redonda, ao seu lado, protege a célula CdS.
O disco entre o disparador e o porta-acessórios é o selector de sensibilidade do filme, marcado em ASA e DIN.

Existe uma edição preta desta câmara. A Sensor 200 e a Silette LK são parentes muito próximas.

É uma câmara muito compacta e agradável de usar. Abaixo podem ver algumas fotos tiradas com ela:

Agfa Optima 500 - Foz do Douro (1)

Agfa Optima 500 - Foz do Douro (3)


video



Voltem sempre (o;


Thursday, November 24, 2011

Nº 40 Nikon Nuvis 75


Nikon Nuvis 75
Esta foi outro presente do meu tio Jorge Sá Dantas, um contribuinte de destaque da minha colecção e do:


É uma câmara APS simples, com todos os automatismos.
Foi apresentada pela Nikon em 1996, é uma das primeiras câmaras deste formato.

Nikon Nuvis 75


Características:

Objectiva Nikon Zoom/macro, 30-60 mm, 1:4.5-8.5
Velocidades de obturador: 8 segundos - 1/500
Auto focus, com possibilidade de bloqueio de focagem na posição de infinito
Exposição automática: preponderância central
Modos de flash: Auto, enchimento, redução de olhos vermelhos e desligado
Retardo do disparador
Formatos de impressão APS: Convencional, HDTV e Panorama
Zoom motorizado 
O LCD apresenta informação acerca das funções, modos e contador de exposições
Avanço e rebobinagem motorizada do filme
Alimentação: bateria de lítio CR123
Dimensões: 114 x 62 x 38 mm
Peso: 200 g
Feita no Japão


Nikon Nuvis 75

Nikon Nuvis 75

Nikon Nuvis 75

Algumas fotos tiradas com ela:

1890

Antas ao fundo

Voltem sempre (o;

Tuesday, November 22, 2011

Nº 39 Yashica 8-EIII


Yashica 8-EIII
O meu cunhado, Mário Gamelas, é um dos principais apoiantes da minha colecção.
Tenho várias das suas antigas câmaras como hóspedes do:


Comprou-a no início dos anos sessenta, quando era oficial do exército português, destacado nas antigas colónias.

Trata-se de uma câmara de filmar, 8 mm, Yashica 8-EIII, feita no Japão, por volta de 1959
Tem três objectivas, montadas numa bandeja rotativa, com os respectivos visores:
Cine Yashinon  6.5, 10 e 25 mm, com uma gama de aberturas: f1.8 - f16 e três filtros internos, intercaláveis no trajecto óptico: ND, C e H
O motor, de corda, permite as seguintes velocidades: single frame, 8, 12, 16, 24, 32 e 48 fps  
A janela às bolas, por cima da bandeja das lentes, esconde um fotómetro de selénio, ainda a trabalhar.
No visor são apresentadas duas agulhas. Jogando com a abertura, velocidade e filtros fazem-se coincidir para obter uma exposição correcta.
Gama de sensibilidade ASA: 10 - 80
Corpo em metal fundido, coberto de pele artificial cinzenta e placas de aço inoxidável.

Está completa, com as tampas das lentes e mala em couro, com fecho de correr. O Mário disse-me que também tinha um punho, tipo pistola, mas perdeu-lhe o rasto.

A seguir vistas TTV das diferentes objectivas; 25, 10 e 6.5 mm:

TTV Yashica 8-EIII 25 mm lens TTV Yashica 8-EIII 10 mm lens TTV Yashica 8-EIII 6.5 mm lens

Acho o máximo esse tom azul, fora da zona de captura.
Também visíveis as duas agulhas do fotómetro:
- Agulha grossa: controlo de fps
- Agulha fina: controlo de abertura

Mais algumas fotos da câmara:

Yashica 8-EIII

Yashica 8-EIII                Yashica 8-EIII

Yashica 8-EIII

Está tudo a funcionar, só me falta arranjar filme.

Voltem sempre (o;

Thursday, November 10, 2011

nº 38 Regula Super automatic


King Regula Super Automatic
Encontrei esta beleza, há uns anos, numa feira de velharias.
É uma Regula Super automatic.
As únicas Regula que eu já tinha visto eram as omnipresentes Sprinty.
Esta pertence a um campeonato muito diferente.

King Regula Super automatic (2)

É uma câmara telemétrica com lentes intercambiáveis, montagem por baioneta, fotómetro de selénio incorporado, marcas brilhantes no visor, seleccionáveis para objectivas de 50, 90 e 135 mm, além de tudo isso é muito elegante.

King Regula Super automatic (5)

Só tenho pena de ainda não ter encontrado mais lentes. Mas, não desisti.

King Regula Super automatic (3)

Foi fabricada pela Regula-Werk King KG em Bad Libenzell, antiga Alemanha Ocidental.
A lente é uma Isco-Gottingen Regula-Color-Westanar 1:2.8/50, num obturador Gauthier (AGC) Prontor SLK, com uma gama de um segundo a 1/300 mais B e retardador.
O visor não só apresenta o visor e as marcas, para as diferentes lentes, como também apresenta correcção de paralaxe.
O porta acessórios não apresenta ligação para flash. Tem uma tomada de sincronismo na frente, seleccionável, no obturador, para sincronia X ou M.
Dimensões: 135 x 90 x 76 mm
Peso: 645 g

King Regula Super automatic (4)

É de agradável manejo, embora o fotómetro desta esteja morto.

A seguir, algumas fotos tiradas com ela:

Miragaia - King (2)

Miragaia - King (3)

Miragaia - King (9)

Miragaia - King (10)

Miragaia - King (7)

Voltem sempre (o;

Tuesday, November 8, 2011

Nº 37 Rollei A 110


Rollei A110
Quando o meu tio Jorge Sá Dantas soube que eu coleccionava câmaras, convidou-me a ir a sua casa e deu-me uma Nikon F-601, de que já falei num artigo anterior, e esta bela Rollei A110.

Rolley A110

Quando, nos anos setenta, a Kodak introduziu o formato de filme 110, em cassetes, ninguém quis perder esse comboio, por isso a Rollei apresentou esta preciosidade minúscula na Photokina de 1974.
Foi uma sensação. Fechada era mais pequena que as caixas em que vinham as cassetes do filme.
Era também a máquina mais cara, deste tipo, na altura. Daí terem mudado a produção para Singapura, em 1978, e baixarem os custos de produção e de venda ao público.

É construída quase totalmente em metal, ou plásticos duráveis, com um acabamento negro acetinado. 
Emprega um movimento de puxa-empurra para avançar o filme e armar o obturador.  
Aberta mostra-nos a objectiva Rollei-Tessar, 1:2,8 f=23mm, e liga o fotómetro.
A objectiva é focada manualmente, utilizando o selector deslizante, cor-de-laranja, sob a lente.
Simultâneamente, é-nos apresentada no visor, surpreendentemente grande e brilhante, a informação de focagem, por símbolos e valores de distância, em metros e pés. Foca de 1 m até ao infinito.

O obturador electrónico Rollei-Prontor tem uma gama de velocidades de 4 segundos a 1/400.
Nesta câmara foi empregue um sistema de obturador/diafragma inovador:
Ao armar o obturador, abrem-se as laminas do obturador e fecham-se as do diafragma. Quando é disparada o diafragma abre para o valor programado e no fim da exposição as laminas do obturador fecham. Esta coreografia é controlada por um foto díodo de silício, que, por sua vez, também tem um jogo de laminas, sincronizadas com as do diafragma da objectiva.
O programa de exposição automática cobre uma gama de f2.8 - 4s até f16 - 1/400.

Existe um adaptador para flash de cubo, que prende de lado.
Dimensões: 30 x 44 x 84 mm (100 mm aberta)
Peso: 185 g (com bateria)

Rolley A110

Tenho por aí uns filmes 110, tenho de arranjar uma substituta para a defunta pilha, uma PX27/5,6 V de mercúrio, e experimentá-la.

Rolley A110

Voltem sempre (o;

Sunday, October 30, 2011

Nemrod Siluro


Nemrod Siluro - Flash unit with M2 bulb
Tenho anos de experiência de mergulho e fotografia subaquática mas, nunca tinha visto ou ouvido falar nesta câmara, até ver esta na galeria, do Flickr, do OZBOX.

Fiz uma busca no Google, para tentar obter mais algumas informações acerca dela, e encontrei este magnífico exemplar num sítio de leilões nacional, contactei o vendedor e combinei encontrar-me com ele, para ver a câmara.
Era um jovem simpático, de Vila Nova de Cerveira. O pai dele, a dada altura, ficou na posse desta câmara. Não fazia ideia do que tinha, o filho insistia que se tratava de uma câmara subaquática, o pai não achava isso possível, devido ao flash, que ele não acreditava pudesse operar debaixo de água.
Uma visita a um fotógrafo do Porto, esclareceu-os, tendo eles também ficado a saber, que não havia razões para que a câmara não funcionasse.
Mais tarde, veio a decisão de a pôr à venda.

Depois de uma breve inspecção, houve dinheiro que mudou de mãos e eu voltei para casa com esta bela peça.

Nemrod Siluro w/o flash unit

Esta câmara foi feita pela Nemrod Metzeler, S.A. em Barcelona, Espanha.
e era distribuída pela Vilarrubís y Sagué, S. A.
Sagrera, 44 - 55, Barcelona - 13, España
A empresa Nemrod, que foi buscar o nome à figura bíblica de Nemrod, o caçador, rei da Babilónia, era fabricante de material de mergulho e caça submarina, produziram esta câmara de 1960 a 1966.
É moldada num material plástico, tipo Baquelite, chamado Novodur.
Tem grandes parecenças com a Mako-shark, da Healthways, Califórnia, com as vantagens de usar filme 120 em vez de 620 e ter uma unidade de flash dedicada, inestimável na fotografia subaquática.
A lente é uma 70 mm de foco e abertura fixas, respectivamente 1-2,5 m e f:16
O obturador é muito simples com uma única velocidade, 1/55 seg.
Embutidos na parte de trás dois pesos de chumbo mantêm a sua flutuabilidade neutra.
Foi feita para ser estanque até 40 metros.
Tem uma válvula na frente que permite a sua pressurização.
Usa filme 120, para doze exposições, de formato quadrado 6 x 6.
O avanço do filme é feito por meio de um botão de grandes dimensões, colocado do lado direito, e é controlado através da janela vermelha situada na parte de trás da câmara.
A energia para o flash é assegurada por uma bateria de 22,5 V e usa um condensador de 100 μF 25/30 V, ambos protegidos dentro do corpo.
Dimensões e peso: 16,5(c) x 27(l) x 20(a) cm, 1.550 kg (incluindo o flash)

Não passa de uma câmara de "caixote" subaquática.

Vamos lá ver como ela é em pormenor:

Nemrod Siluro - Parts

Da esquerda para a direita: a tampa de borracha da janela vermelha; a tampa traseira, contendo os pesos de chumbo e a placa de pressão do filme;

Nemrod Siluro - Back, ruby window and rubber cap Nemrod Siluro - Back inside view, ballast weights and film pressure plate

Nemrod Siluro - Detail of lead weight

a parte da frente onde está a câmara propriamente dita e a electrónica do flash;

Nemrod Siluro - Left view inside front, with film loaded Nemrod Siluro - Right view inside front, with film loaded

Nemrod Siluro - Inside front

unidade de flash; adaptador para lâmpadas XM-1.

Nemrod Siluro - Flash unit with XM-1 bulb adapter

Os controlos: disparador e avanço do filme; os logótipos; os conectores do flash.

Nemrod Siluro - film controls Nemrod Siluro - Logos Nemrod Siluro - Flash connections

O flash pode usar lâmpadas MB2/3

Nemrod Siluro - Flash unit Nemrod Siluro - Flash unit with M2 bulb

ou, através do adaptador incluído, lâmpadas XM-1

Nemrod Siluro - Flash unit with XM-1 bulb adapter Nemrod Siluro - Flash unit with XM-1 bulb adapter and XM-1 bulb

Para uso subaquático a melhor escolha são lâmpadas brancas, já para a superfície são preferíveis as azuis.

É uma peça espantosa, vista de qualquer ângulo

Nemrod Siluro with flash unit and XM-1 bulb via adapter

Nemrod Siluro - Right view

Nemrod Siluro with flash unit and XM-1 bulb via adapter

Nemrod siluro - Left view

Nemrod Siluro - Viewfinder

Até o visor desportivo é demais.

Nemrod Siluro - Valve capped  Nemrod Siluro - Valve uncapped

A válvula de pressurização é uma característica curiosa, pode-se usar uma bomba de bicicleta para proceder à pressurização. Isto vai criar uma pressão positiva no interior, e, se alguma das juntas tóricas verter, logo que o mergulhador a imerge irá ver uma coluna de bolhas, dando-lhe a possibilidade de a retirar da água, antes que sejam produzidos danos.

A única falha que lhe encontrei, de resto já apontada pelo vendedor, foi uma peça partida no interior, que colou bem, trata-se de algum tipo de adaptador. Não estou completamente certo acerca da sua função.

Podem ver nas seguintes fotos: na da esquerda o adaptador está colocado, dando uma distância extra de cerca de 5 mm entre a lente e o plano do filme. Na foto da direita retirei-o.

Nemrod Siluro - Film adapter (?)  Nemrod Siluro - Flash electronics

Imagino que este adaptador se destine a fotos a curta distância, principalmente debaixo de água e, que retirando-o o foco se estenda de 2/3 m até ao infinito, para uso à superfície.
Trata-se apenas de uma suposição, como a câmara não possuiu a pose B, não pude ainda testar a minha suposição.
Se alguém puder confirmar ou desacreditar a minha teoria ficaria muito agradecido.

Voltem sempre (o;